terça-feira, abril 19, 2011

Indirecto


Neste mundo existe um grande, grande, grande mal. E´ aquilo que eu chamo do mal do INDIRECTO. 

O mal do indirecto é o principal responsável pela insensibilidade que todos (todos mesmo) temos perante o sofrimento e injustiças que existem no mundo. E´ este mal que nos permite olhar para o lado e continuar a assobiar enquanto prejudicamos objectivamente milhares de pessoas em todo o mundo. 

Sim, tu que estas a ler este texto, prejudicas milhares de pessoas. Porventura és responsável pela morte de uns quantos, sempre de forma indirecta claro… e que alivio é que assim seja não é verdade? 

Como é isto possível? Todos os nossos actos têm consequências que não são visíveis, mas que são bem reais e afectam a vida de todos os outros.

- De cada vez que deitamos comida fora significa desperdício. Milhares de pessoa passam fome e o esbanjar comida é um insulto para essas mesmas pessoas. E afecta-as… indirectamente, claro.

- De cada vez que acumulamos dinheiro. Estamos (muito) indirectamente mas ainda assim a contribuir, para que outras pessoas tenham menos dinheiro. O dinheiro é algo finito e para eu ter mais, terei que ficar com o dos outros. Para eu ser mais rico, têm de existir mais pobres… é uma verdade la palice. Ainda assim, 99% por cento da população só sonha ser milionário.
 - De cada vez que ignoramos aquilo que está diante dos nossos olhos e que tanto nos prejudica, como FMI’s, pseudodemocracias, pseudoliberdades, pseudopoliticos pseudopreocupados com a população, estamos a indirectamente (quem diria?) dar o aval para que todas estas injustiças continuem.

- De cada vez que alguém vai para a tropa, está de forma indirecta (claro…) a dar força `a guerra. A contribuir para que milhares de pessoas morram por causa de interesses de terceiros que nada têm a ver com patriotismo ou com liberdade, mas sim com petróleo, ou interesses monetários… Afinal, se não houvesse tropas para ir para a guerra, a guerra não existiria…

- De cada vez que ficamos defronte da televisão a ver o big brother, estamos de olhos fechados para tudo o que realmente importa nesta vida. Estamos a toldar a mente com informação fútil, que em nada contribui para a nossa felicidade. Estamos a passar a nós próprios um atestado de incompetência e indirectamente (lá está) a permitir que nos continuem a pisar, porque enfim… tudo o que nos importa é quem foi expulso esta semana da casa dos segredos ou quem ganhou o dérbi futebolístico do Domingo.

- De cada vez que gastamos dinheiro num centro comercial em futilidades… estamos a contribuir para este estilo de vida consumista. Estamos a canalizar dinheiro para multinacionais que apenas se preocupam com o lucro e que estão-se nas tintas se têm mão-de-obra barata, se têm crianças a trabalhar no outro lado do planeta ou se estão a destruir o ecossistema através de políticas poluidoras e destrutivas para o ambiente.
 
- De cada vez que nesses mesmos centros comerciais comemos fast food, comida de baixo teor nutricional e de consequências essas bem directas para a nossa saúde, estamos não só a prejudicar a nossa própria saúde, mas a contribuir para que estas cadeias de fast food prosperem e levem `a doença milhares e milhares de pessoas que frequentam estes sítios. Para não falar de que estamos a dar força de forma indirecta (outra vez) para que os animais de que nos alimentamos sejam criados e abatidos em condições deploráveis…

- Se deixamos a torneira a pingar… se deitamos lixo para o chão… se formos com um carro com lugares vazios para o trabalho… se estacionarmos no lugar para deficientes sem o sermos se,se…

Estamos indirectamente a promover isto tudo e muito, muito mais. Poderia estar aqui a escrever indefinidamente.

Já muita gente ouviu esta história… “olhos que não vêem coração que não sente”.  Não é verdade? Preocupar-me com os outros? Porquê? Desde que eu e os meus estejamos bem, o resto, é secundário… “amiga é a minha barriga quando não me esta a doer…”

Mas já vai sendo altura de começarmos a pensar. De mudar de paradigma. Não estamos sós neste mundo. Tudo o que fazemos tem uma consequência. Tudo. E só quando conseguirmos abarcar as verdadeiras consequências dos nossos actos e adequa-los `aquilo que entendemos como sendo o mais correcto…Só ai, estaremos a ser verdadeiramente inteligentes e a contribuir para uma vida e um mundo melhor.

Porque na realidade estamos todos unidos (somos todos um) nesta história que é a vida. Só quando encararmos tudo o que esta distante e fora do olhar como um problema real e de todos, é que seremos uma civilização.

Só quando encararmos o INDIRECTO de forma directa poderemos criar um mundo melhor…

E se chegaste ao fim deste longo texto, estás de parabéns, porque é sinal que de facto bem ou mal ainda… pensas.

2 comentários:

Flávio disse...

Concordo contigo. Vivemos numa sociedade onde é valorizado quem tem o carro topo de gama, o gadget acabado de sair e onde as mulheres são compelidas a usar roupa desenhada por designers que transfiguram os seus manequins de modo a parecerem pequenos rapazes. Sempre assim foi, com o passar das gerações, perdem-se valores de Humanidade para ganho(?) do belo e supérfluo. Hoje em dia não se contrariam as criancinhas e vemos pequenos monstros a controlar 2 (e mais) adultos que exigem sem saber do que custa ter, se alguém é prejudicado, indirectamente. A culpa continua a ser a falta de educação e cultura social.
Como não acredito em mudanças colectivas repentinas, estou a tentar que saía o Euromilhões para ver se fujo, com a minha família, para uma quinta numa qualquer planície onde possa ser independente desta sociedade cruel e nojenta.

Letícia disse...

Muito bom. . .Muito directo e sem papas na língua. . .

Related Posts with Thumbnails